Ir para o conteúdo
Logo NIC.br Logo CGI.br

Conforme já citado em outras postagens deste blog, o esgotamento dos endereços IPv4 para o Brasil e América Latina está previsto para o primeiro semestre de 2014. Muitos ainda ignoram este fato e agem como se nada fosse acontecer, entretanto muitos outros sabem das consequências e os problemas que podem ocorrer se não o IPv6 não estiver implantado quando o IPv4 se esgotar.

Este post irá mostrar alguns bons exemplos que implantaram IPv6 nas suas redes e que provam a viabilidade da implantação do IPv6 antes que os endereços IPv4 se esgotem. As estatísticas de implantação do IPv6 são baseadas nas medições do World IPv6 Launch e em algumas estatísticas fornecidas pelas próprias entidades citadas.

O primeiro bom exemplo vem da Fundação Parque Tecnológico Itaipu (PTI – AS263083) que foi criado em 2003 pela Itaipu Binacional como um polo científico e tecnológico no Brasil e no Paraguai e instalado nos antigos alojamentos dos operários que construíram a Usina de Itaipu. Atualmente (02/01/2014) é a segunda entidade em porcentagem de implantação do IPv6 no World IPv6 Launch com 79,65%. A porcentagem de implantação não representa diretamente a porcentagem de tráfego, já que muitos dos destinos ainda não tem IPv6, mesmo assim, o tráfego em IPv6 no PTI representa aproximadamente 25 a 35% de todo o tráfego da entidade.

Outros bons exemplos vem das universidades. Em 02/01/2014 a UNESP (AS53166) está com 30,15% de implantação, a UFSCar (52888) com 26,36% e a UFSC (AS11242) com 19,25%. Estes valores são de um momento de férias destas universidades, mas quando as mesmas ainda estavam em aulas estes valores eram de aproximadamente 50%. O Ponto de Presença da RNP na Bahia (AS53164) também é destaque com 51,75% de implantação. A UNESP, por ter diversas unidades espalhadas em todo o estado de São Paulo, criou um sistema para gerenciar a implantação em cada uma das unidades. As estatísticas de cada unidade estão disponíveis neste link.

E para provar que IPv6 não é algo somente para pesquisa e ensino temos o exemplo da Maxiweb, que atua na região de Jundiaí (cerca de 50 km da cidade de São Paulo). Nas estatísticas do World IPv6 Launch, 50,2% dos acessos da Maxiweb (AS28140) são em IPv6, sendo que a empresa possui clientes domésticos e corporativos.

E você, o que está fazendo para implantar IPv6? Conte-nos sua história nos comentários ou nos mande uma mensagem.

Compartilhe

Busca